quinta-feira, agosto 05, 2010

ADONIRAN BARBOSA.100 anos de muito samba!


ADORÁVEL ADONIRAN !

Rogério Siqueira

"Com a corda mi, do meu cavaquinho, fiz uma aliança prá ela, prova de carinho" Se vivo fosse (e vivo está !!!, através de sua obra monumental) Adoniram Barbosa estaria apagando 100 velinhas neste 06 de agosto! Nascido João Rubinato, este paulista de Valinhos-SP, com simplicidade e pureza sem igual, traduziu uma São Paulo que já quase não existe mais...e ao mesmo tempo, continuará existindo a cada audição de “Samba do Arnesto", "Torresmo a Milanesa" “Iracema” e tantas outras obras primas ...

Talvez por ter vindo a esse mundo, junto com “Trem das Onze”, a música em agosto e eu em novembro de 1965 (nasci no Tucuruví, pegado ao Jaçanã), a figura de Adoniram sempre me cativou. Provavelmente sem saber o significado da palavra “gênio”, afinal Adoniran não era dado a essas intelectualidades, ele o foi .

Chepeuzinho, gravata borboleta, cabelo sempre carregado em brilhantina, estica de bom malandro e boêmio que conhecia e dominava como ninguém as mazelas das noites bexigueanas,com seu sotaque mezzo caipira, mezzo italianesco do Brás, cantou de A a Z os bairros e tipos de São Paulo. Adoniran frequentou os butecos da paulicéia e neles, batucando numa caixa de fósforo, compôs o que os mais desavisados chamam de “samba paulista” , como ele mesmo dizia, isso não existe, samba é samba e ponto final.

Segundo o nosso guru da bossa nova, João Gilberto, a letra de “Saudosa Maloca” tem a mesma profundidade e grandeza de um texto de Dostoiévski. Adoniran estava sempre bem acompanhado ...de Araci de Almeida, no início da carreira, a Carlinhos Vergueiro nos dias derradeiros, teve como parceiros e admiradores Vinícius de Morais, Elis Regina, Clementina de Jesus, e até ele mesmo ...perguntado sobre a autoria de certas músicas, ele respondia – Essa fiz em parceria comigo mesmo !!

Único em seu estilo, não copiou ninguém e não tem sucessores.Quer uma fotografia fidedigna dos anos 40, 50, 60 e 70 de Sampa? Está tudo lá, em preto e branco, nas letras deste artista. Multifacetado, como é próprio dos gênios, também foi ator, comediante e pásmem, inventor de brinquedos!!!

Nem tudo está perdido, quando bate aquela nostalgia da obra genial do Adoniran, dou um pulinho ao Bar Brahma, na emblemática esquina da Ipiranga com a São João, os Demonios da Garoa estão lá todas as noites de terça feira !!!

Rogério Siqueira
Jornalista, comunista e sambista de primeira

2 comentários:

Dino disse...

Excelente texto, registro e homenagem. Hoje vou ouvir 2 (dois) CD's do belezuro Adoniran.

Juliana Pires de Sousa disse...

Já ouvi falar muito de Adoniran e já ouvi muitas músicas dele. Que ele seja lembrado para sempre.